O PÃO E CIRCO DA PETROBRÁS

  • Imprimir

Por : Cássio Guilherme

 

Neste mês de abril de 2014, em meio a outras avalanches de notícias sensacionalistas na Mídia Amestrada, temos o bombardeio sempre certeiro de denúncias contra a Petrobrás e suas falcatruas mirabolantes. Em que pese o valor nacionalista dessa suposta Estatal a serviço do povo, o que os apatetados e estúpidos telespectadores não conseguem ver é o circo armado para desviar o foco de outro assunto muito mais relevante para o povo brasileiro, e consequentemente para sua soberania imediatista: o investimento maciço no Pró-álcool e na pesquisa de energias renováveis e substituíveis. O povo estupidificado pela Mídia serpentária e argentária deveria estar nas ruas não para vociferar contra a ladroagem dos dirigentes da Petrobrás, mas para pedir o imediato retorno do Pró-álcool e da pesquisa de formas alternativas de Energia. Isso seria libertar-se dos grilhões da corrupção.

 

 

Os contos do vigário vigarista do Pré-sal e da autossuficiência de extração e consumo de petróleo no Brasil, tão amplamente arvorados em prosa e verso, não abaixaram os preços do combustível, que continua um dos maiores do mundo. A outrora empresa de ponta do patriotismo brasileiro se tornou um monstro dominado pelas Grandes Corporações Internacionalistas que são de fato e de direito suas verdadeiras administradoras, não o povo. Prova disso foi a inserção leviana da senhora Graça Foster e seu marido serviçal dos banqueiros internacionalistas para controlar a Petrobrás. Os mambembes do Capitalismo Internacional, Eike Batista, FHC, Collor, Sarney, Dilma, e todos esses Silvérios dos Reis modernos, estão por trás das trapalhadas. O povo está longe de auferir qualquer benesse dessa gigante empresa. O povo foi para rua pedir um dia “O petróleo é nosso...”. Deveria aproveitar o momento e ir de forma colossal para as ruas gritar: “O álcool e os biocombustíveis são nossos, não precisamos mais do petróleo...”.

 

A questão é técnica e política e simples de entender. O Programa do Álcool foi o maior programa tecnológico do Brasil e uma ameaça aos controladores financeiros do mundo, que têm o composto químico petróleo como meio de dominação e escravização das Nações. O álcool como combustível é menos poluente, mais eficiente, muito mais barato, mais fácil de obter. Você pode construir um alambique simples com 10000 reais mesmo num prédio de apartamentos. Já para se construir uma Refinaria de Petróleo é preciso mais de 5 milhões de reais somente para produzir gasolina. O cientista verdadeiramente patriota Bautista Vidal, físico e um dos idealizadores do Programa do Álcool, recentemente falecido, provou no seu livro A Reconquista do Brasil, que em 1985 a matriz de veículos a gasolina gerava 40000 empregos diretos no Brasil; se toda essa frota veicular fosse convertida a álcool, poderíamos ter mais de 1 milhão de empregos diretos, sem contar a imensa área de pesquisa e plantio que levaria populações mendicantes do meio urbano para o meio rural. Vocês conhecem cana de açúcar?? Nasce em qualquer lugar, nas mais diversas condições, é fácil de cultivar. Seria a maior revolução social e tecnológica da História do Brasil. Sem contar que a indústria petroquímica receberia um reforço da indústria alcoolquímica, produto genuinamente nacional, o que detonaria com as masturbações tecnológicas importadas a preço de ouro pelo Brasil.

 

 

 

E por que sepultamos o álcool, ou pelo menos tiramos de pauta o assunto?? Dois motivos principais podem ser apontados: primeiro, não agrada às Grandes Corporações financeiras, verdadeiros governantes dos países do ocidente, perder o monopólio do petróleo como meio de dominação dos povos. O petróleo nunca vai acabar; isso de que o petróleo veio de compostagens orgânicas como ossinhos de dinossauros e fezes de trilobitas misturados com madeira podre é conto da carochinha. Rios de Hidrocarbonetos fluem no interior da Terra, os russos sabem disso há 70 anos. As Grandes corporações que dominam os escopos do petróleo e seu desenvolvimento, podem intercambiar tecnologia com facilidade sem perderem sua hegemonia. Prova disso é o fato que as Corporações drenam toda a tecnologia produzida na COPPE do Rio de Janeiro, por exemplo, com dinheiro público do povo brasileiro, em questões de segundos para outras matrizes pelo mundo. O domínio tecnológico se torna então extremamente volátil. O segundo fator é sem dúvida a facilidade de obtenção do álcool. Qualquer birosca de fundo de quintal pode produzir álcool, sem precisar do beneplácito do governo, que usa a Petrobrás atualmente para cobranças escorchantes de impostos, falcatruas inomináveis com políticos perversos, contratos bilionários com grupinhos de amigos do rei e moeda de troca com os políticos subservientes salafrários e patifes. Você sabia que apenas uma empresa produz tubulações para transporte de petróleo no Brasil, e assim mesmo é uma multinacional canadense com participações financeiras escusas?? E os poucos armadores que ganham bilhões dos impostos e royalties, para transporte do petróleo?? A mamata acabaria imediatamente!! O advento e a retomada do Pró-alcool seriam a construção definitiva da tão esperada chancela de soberania do povo brasileiro. Queríamos reiterar que esse artigo não é contra a existência da Petrobrás. E também sabemos tecnicamente que o álcool tem suas desvantagens, principalmente ao se considerar o uso em larga escala. Mas a questão que se pontua é o avanço tecnológico da Nação brasileira como um todo.

 

A coisa é tão escandalosa que resolvemos criar um índice de palermice e idiotice em unidades de Petrobrás. Acreditar que o petróleo hoje no Brasil seria mais importante que o álcool vale 100 petrobrases. Acreditar em Papai Noel vale 10 petrobrases. Acreditar que a apresentadora Xuxa é virgem vale 90 petrobrases. Acreditar que a Rede Globo de Televisão defende os interesses brasileiros vale 1000 petrobrases. E por ai vai... Observe os idiotas de plantão que quem ficou mais revoltado com esses escândalos financeiros e contratuais de Passadena nos EUA foram os acionistas estrangeiros, que não conseguiram suportar tamanha burrice do governo “brasileiro”. Isso para o povo e seu sofrimento eterno não fez e nem fará diferença alguma. O Brasil continua uma Colônia de Banqueiros, como disse o grande integralista Gustavo Barroso.

 

A metáfora de se buscar energia a 7000 metros de profundidade, ou mais, faz sentido, pelo menos nisso. O Brasil parece que gosta de afundar a cabeça lá no buraco para não enxergar a verdade dos fatos. Realmente, os velhacos agradecem...

 

OBS: CÁSSIO GUILHERME, PRESIDENTE DO MOVIMENTO INTEGRALISTA E LINEARISTA BRASILEIRO MIL-B, ENGENHEIRO, FISICO, BACHAREL EM DIREITO, FUNDADOR DO LINEARISMO
“ OS IDIOTAS SÃO MUITO IMPORTANTES. OS VELHACOS PRECISAM DELES PARA TEREM SUCESSO...”

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.