QUEM MATOU BERNARDO?

  • Imprimir

Por : Gustavo B. Schwartz

 

Sempre gostei de perguntas. E as perguntas são sempre inconvenientes. Elas desafiam o status quo. Elas desafiam a falsa estabilidade do que nos é ensinado como uma verdade conveniente. Toda verdade é inconveniente, e só se chega a ela através de perguntas inconvenientes. A morte do menino Bernardo, pelas pessoas que deveriam cuidar dele, noticiada no país estes dias não tem só dois assassinos. Tem vários. São respostas inconvenientes.  Em uma das reportagens que li, de forma cronológica, observa-se que o menino, de 11 anos, foi sozinho a um JUIZADO pedir socorro, ajuda, auxílio.

 

Maior que a náusea ao ler a reportagem é minha náusea ao saber, como advogado que sou, há 21 anos, que a JUSTIÇA serve para muito pouco, e custa muito caro. O ministério público precisa encarar o espelho mágico de Freud e se perguntar, afinal, eu sirvo para que? E perceber que serve para muito pouco.  A ordem dos advogados, não menos culpada, precisa se perguntar qual o tamanho da desordem em sua ordem. E também não serve para nada senão ser um boleto de alforria a todo advogado, que tem que pagá-la para exercer um direito que adquiriu por esforço e méritos próprios, não dela. Vivemos e trabalhamos, APESAR da OAB.  A verdade é que todo o SISTEMA existe para fazer valer somente o próprio sistema. E que sistema é este? No nosso caso uma Matrix tupiniquim de república de bananas. Um sistema em que juízes fazem favores a colegas, em que promotores entram e saem calados de audiências, ou veem crimes e não fazem nada. Ou o contrário, se arvoram nos papéis de magistrados obsoletos ou despreparados das justiças estaduais, que os aprovam sem nenhuma capacidade, eles mesmos, seus aprovadores. Atuam sempre de forma conveniente. Para agradar, subir, crescer ou fazer descer alguém. Faço a pergunta do título: Quem é o assassino do garoto Bernando? O pai, a madrasta. Sim. Mas também participaram do crime a justiça de merda que existe neste país, um ministério público insosso mais preocupado com mídia e uma Oab pálida, que vive de média, com um pires na mão no meio de ambos. Não há mais lugar para incompetentes em um país que pretende alçar voos maiores. Ou esta também é uma mentira conveniente? Queremos mesmo alçar voos maiores? Todos vocês mataram este garoto, seus filhos de uma puta. Esta é a resposta inconveniente que deve figurar na lápide de um menino de 11 anos: “ Morto pela demência de um sistema senil, repleto de autoridades que precisam usar roupas caras para esconder seus currículos e atitudes baratas. Morto por servidores públicos que não servem para nada, exceto engordar a conta pública no final do mês de cada ano que nunca fecha.  Assassinato a lá “Expresso Oriente”, de Agatha Christie, aonde cada bandido incompetente ou omisso lhe deu uma facada" E feliz ou infelizmente  não há mais "Hercule Poirot" que dê jeito ou resolva o crime – pois ele não precisa ser resolvido, precisa é ser evitado -  de um país  vivendo uma ditadura branca, à beira de uma guerra civil, até que um gringo famoso - uma celebridade idiota - tome um tiro em meio à Copa do Mundo e o país seja boicotado internacionalmente em todos os aspectos, pois isso é uma tragédia anunciada.  Pergunto de novo. Quem matou Bernardo?  Não sou dono da verdade. Deixo eu, inconveniente,  a pergunta que não quer calar, só mais tênue que a resposta:  Todos vocês, omissos, incompetentes, ladrões do erário,  pois quando um menino de 11 anos bate na porta do SISTEMA clamando por sua vida e este sequer o enxerga pelo olho mágico, alguma coisa tem que ser feita além de só reconhecer que nosso sistema é um sistema de merda, que se alimenta de bernardos. Meu Deus, quantos Bernardos mais serão necessários para fechar portas, instituições prender autoridades e demitir, por improbidade, juízes, promotores e servidores? Quantos Bernardos mais...

 

OBS: Gustavo B. Schwartz, Advogado

 

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.