CELSO LUNGARETTI : "UMA CAUSA MAIS DO QUE NOBRE...”

Por : Pettersen Filho

“...Mais uma vez sou obrigado a pedir o apoio dos companheiros, amigos, leitores e cidadãos com espírito de justiça.

Faço-o com tamanho constrangimento que desde ontem estou tentando escrever este texto e jogando rascunhos fora. Finalmente, percebi que não era inspiração que me faltava – e esta acabaria atendendo aos meus insistentes chamados – mas convicção.

Pois sei muito bem que sou apenas mais um dentre tantos e tantos que, por travarem o bom combate, ora estão recebendo do novo governo um tratamento de inimigo. Sou merecedor da força que a todos faz enorme falta? Honestamente, não sei. Quem me lê que decida.

 

 

E, o que é pior: até agora vinha acreditando que, mais dia, menos dia, receberia da União a indenização retroativa que me foi concedida em portaria ministerial de outubro de 2005 e deveria ter sido paga no prazo de 60 dias.

 

Depois de tanto tempo, de tantas decisões favoráveis do STJ e de uma do STF, tomadas sempre por unanimidade, só me resta concluir que estou diante do imponderável: pagarão quando lhes der na telha. Simples assim.

 

E, nesse meio tempo, poderão até piorar as condições nas quais sobrevivo, como fizeram neste ano, quando cassaram meu direito de realizar as operações com empréstimos consignados que outros pensionistas da União efetuam normalmente e eu vinha mantendo sem quaisquer empecilhos há mais de uma década.

 

Alegaram que uma lei de 2015 teria me colocado fora desse universo, mas eu a li, reli e nada encontrei que justificasse a exclusão. E, claro, fica a pergunta: ainda que isto fosse correto, por que demoraram tanto para aplicá-la contra mim? Por que só em 2019?

 

O fato é que, mesmo reduzindo minhas despesas pessoais ao mínimo estritamente necessário (incluindo a troca da residência familiar por um quarto de hospedagem no qual moro sozinho), ainda há pensões a pagar para filhas e ex-esposa, que não posso simplesmente abandonar ao léu.

 

As incertezas atuais são tantas que já não ouso prometer devolução de valores recebidos dos solidários que ainda restarem.

 

Para quem puder, ainda assim, contribuir, peço que deposite qualquer quantia em nome de Celso Lungaretti / CPF 755.982.728-49 / Caixa Econômica Federal / conta tipo 001 / agência 2139 /  nº 00020035-2.

 

Também conservo uma dúzia de exemplares da cota de autor do meu livro Náufrago da Utopia, que estou vendendo a 70 reais cada. 


Os interessados deverão fazer o depósito na c/c acima e enviar e-mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  e O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  (é mais garantido mandar para ambos), não esquecendo o endereço para envio do livro e a definição do nome que deverá constar na dedicatória.

 

E continuo disponível para frilas jornalísticos de todo tipo, incluindo a área de comunicação empresarial (atuei muito tempo como editor de jornais e revistas de empresas, autor das peças de comunicação nobres tipo discursos de diretores e como administrador de crises).  

 

Como disse acima, não tenho mais condições de prometer nada a ninguém.

 

Exceto que, enquanto ainda tiver vida, forças e lucidez, continuarei lutando contra as injustiças do meu tempo e contra esse recrudescimento da barbárie em pleno século 21! (Celso Lungaretti)...”

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.