NOSSO ERRO AMAZÔNICO: “O BRASIL EM CHAMAS...”

Por : Pettersaen Filho

Enquanto mais uma Embarcação levanta ancora num Porto Líbio, ou da Síria, bombardeados pela Coligação França, Grã-Bretanha e Estados Unidos, levando imigrantes famintos para o sepulcro que se tornou o Mar Mediterrâneo, após tantas intervenções Europeias no Oriente Médio e África, impopular em seu próprio País, a França, após meses de Revolta dos Coletes Amarelos, Macron, Primeiro Ministro Francês, volta sua metralhadora vocal para o Brasil, mais precisamente, para Amazônia, em coro unissonoro com a Noruega, Pais que caça Baleias em extinção, explora Petróleo no Ártico, e, por debaixo dos panos, e dutos clandestinos, polui a Amazônia com sua Empresa Hydro, convocando em caráter de Emergência Reunião do G7, Grupo de Países Industrializados, ameaçando sanções econômicas ao Brasil, de olho na Amazônia brasileira.

 

Refúgio de muitas espécies animais e vegetais, a Amazônia brasileira, mais da metade do Território Nacional, sob o lema de “Integrar para não Integrar”, ainda nos anos 70, durante o Regime Militar, em que fora aberta a Rodovia Transamazônica, até hoje sem terminar, é realmente um espinho entalado na garganta do Governo brasileiro, na verdade o Fair West Tupiniquim, ainda por conquistar...

No entanto, enquanto Barcos do Green Peace ou da WWF, sobem e descem o Rio Amazonas com as suas Bandeiras de Conservação, tais como aquelas que não funcionam, contra Noruega e Japão, “Salvem as Baleias”, cá no Brasil, não posso concordar que, possivelmente, em nome da preservação de uma “Formiguinha cabeçuda vermelha”, ou um “Pezinho de Planta ou erva qualquer”, que só existem ali, seja a Floresta intocada, em nome da “Preservação”, Burra, Mesquinha e Idiota, porquanto no Sul do Brasil, ou Sertão brasileiro, numa Favela ou Semáforo das Grandes Cidades, crianças, e famílias inteiras, passam fome, sem ocupação.

Fronteira Agrícola e Mineral inestimável, sobre a qual o Mundo inteiro tem cobiça, a Amazônia foi por um grande período abandonada pelo Governo brasileiro, desde a Redemocratização, nutrida por ONGs Internacionais, justamente por Noruega e Alemanha, enquanto Governos fracos, de Fernando Henrique à Lula, faziam concessões, podemos citar a Reserva Astronômica de Raposa Serra do Sol, delimitavam Reservas Indígenas, gigantescas, cada vez mais, mais e mais, inviabilizando a sua Ocupação, a não ser por Bandoleiros, Loucos e Aventureiros de toda Sorte, como em Serra Pelada e Roraima, com seus arrozais, abrindo picadas e garimpos, para somente após, depois de enfrentarem a Malária e a Febre Amarela, chegar o Governo brasileiro, com suas Normas Legais, Fiscais e Tributação.

Floresta que, realmente deve ser Preservada, o que não significa Inocupação, é Bem Natural de toda Humanidade, porém, parte indivisível e integral do Brasil, que Potências Europeias, e uma Oposição Treslocada interna brasileira, uma Imprensa Paga e Golpista, jamais podem alcançar.

Foi, e é, ao meu modesto ver, esse nosso Erro, de dimensão Amazônica, não Ocupar!

 

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC