G7 ENTRE REGIONALISMOS E GLOBALISMO: Jogos e Fintas no Grupo dos Sete (Cimeira G7)

Por António Justo

Numa altura em que os estragos do globalismo liberal e do centralismo deveriam ser reconsiderados, debatem-se os senhores do globalismo contra os do regionalismo num jogo de interesses económicos em Biarritz; aproveitam-se uns e outros do escuro da fumarada que domina nos baixios populares para, cada um, longe de qualquer compromisso, levar a sua a melhor! O bem é que falam uns com os outros, o clima parece ser melhor que na última cimeira. O G7 continua a excluir a Rússia apesar de Trupo a desejar como futuro membro de um G8. Surpreendente foi a visita inesperada do ministro dos negócios estrangeiros do Irão a Biarritz, talvez uma esperança dos europeus sonharem um encontro entre ele e Trump (Certamente uma tentativa em vão)!

 

De 24 a 26 de agosto a Cimeira G7 chega ao cume dos imprevistos; de um lado homens imprevisíveis como Donald Trump e Boris Johnson que não querem entrar completamente no jogo do clube globalista e do outro lado os temas quentes:  combate à desigualdade, injustiça globais, Caos-Brexit, clima, Irão, motins em Hong Kong, conflito de Caxemira Índia-Paquistão, a guerra na Síria e o conflito, de não menos relevo, entre EUA -China que se pretendem reservar para si o direito de guiar o rebanho!...

Macron, com algumas propostas boas, encenou para a opinião pública o tema Amazónio para desviar as atenções da desolada situação em que se encontra a EU apelando aos países membros do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), para que discutam os incêndios da Amazónia. Doutra maneira não conseguiria tirar do foco da comunicação social o fogo que já se avista nas janelas da casa EU. Também, uma boa maneira de desviar as atenções dos Media da crise em que o Ocidente se desintegra, a Turquia provoca a Nato, o Brexit divide a Europa e os membros da EU se encontram uns contra os outros; por outro lado o problema da China à porta de casa, as políticas falhadas com a Rússia e o Irão e ainda por cima o desmancha-prazeres Trump, o malvado que quer travar o autocarro da globalização!

Mácron para legitimar a intromissão no Brasil, um estado soberano, não receia em dizer dias antes da Cimeira algo para entreter a imprensa e satisfazer os desejos jacobinos entre o soberano povo que inconscientemente se deixa conduzir pela trela de quem alcança a dianteira: "Devemos responder ao apelo da floresta (...) da Amazónia, nosso bem comum (...) e por isso vamos agir"… a "nossa casa está pegando fogo. É uma crise internacional"(1), anuncia o Presidente

A Intervenção em questões internas de um país revela-se como oportunisticamente justa porque na continuação do velho colonialismo europeu: outrora em nome do cristianismo e hoje em nome dos direitos humanos e dos problemas ambientais chama a si a razão e legitimação para intervir; com o seu agir, legitima actividades, por trás das quais se escondem interesses colonialistas de caracter económico e ideológico.

É preocupante a reacção política aos fogos no Brasil sem ter havido uma análise objectiva dos mesmos, (fogos estes, como consta, ateados entre outros por ONGs internacionais a operar na Amazónia e a quem a Alemanha e outros deixaram de apoiar), que provocou a intenção precipitada   do Presidente francês e da UE que consideram legítimo um boicote a importações do Brasil, não faltando até a ameaça de se questionar o acordo UE/Mercosul. A divindade continua a precisar de bodes expiatórios!

Com se vê, Mácron e a EU querem agir à velha maneira de senhores no estilo imperialista e colonialista. Antigamente intervinha-se num outro Estado em nome de interesses do mais forte ou dos próprios interesses lesados, hoje os mais fortes intervêm nas nações em nome dos direitos humanos e do que nos “pertence a todos”.

Em nome da globalização países e povos abdicam do direito à autodeterminação; a subordinação a supraestruturas marginaliza até o pensamento. O domínio e a censura que políticos autoritários aplicam e aplicavam em nome do bem da nação hoje aplicam-no Estados democráticos mais fortes em nome da globalização.

No meio de tanta confusão espalhada na opinião pública, parece andar muita gente desvairada como se já tivéssemos chegado ao cume da montanha globalista turbo-económica e cultural marxista e do cimo da convicção hegemónica já não houvesse espaço para avistar a diferença quer a nível de género, de comunidades, de países ou de regiões. Querem uma via única, a via do igualitarismo que leve ao desmoronamento da civilização e tudo ainda em nome de motivos nobres e universais. 

Assim, em vez de se preocupar com os problemas causados pelo globalismo, o nosso mago Mácron surge como salvador da honra da nova Europa ao pegar na sua varinha mágica para enfeitiçar os membros da G7 e os Media; assim para divertimento de um povo espectador consegue que se olhe para o fumo de fora para melhor poder combater os feiticeiros rivais e malvados Bolsonaro e Trump. 

Toda a gente fala da Amazónia porque os interesses do socialismo marxista e os interesses internacionais económicos na América do Sul se juntaram e se encontram lá envolvidos.

Os desafios que a humanidade tem em mãos só poderão ter sucesso se todos se derem as mãos, à mesa das negociações, em que cada parte ceda na consciência de que a razão que advoga se deve sobretudo ao próprio ponto de vista e sem o dos outros se torna em prepotência, por muito nobres que pareçam ser os seus ideais e argumentos.

Com tantos fogos e ventos a soprar de todo o lado já seria tempo de o povo da Europa acordar para notar que a guerra que se incendeia em torno da Amazónia também faz parte da luta contra a cultura ocidental.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5600