RODRIGO JANOT : “O REAL & FICTÍCIO SUÍCIDIO POLÍTICO DO EX-PROCURADOR DA REPÚBLICA...”

Por : Pettersen Filho

Revelando essa Semana à Imprensa suposto desejo incontido, que possivelmente ocorre em cada um de nós, brasileiros, de tanto ver prosperar na Justiça incolumidades, nesse caso, contido, que lhe teria acometido cerca de dois anos atrás, nas dependências do STF – Supremo Tribunal Federal, armado, com fito de Assassinar Gilmar Mendes, o mais Benevolente dos Benevolentes Ministros da Corte, cujo entendimento Constitucional, por mais e mais vezes, leva à soltura comprovados Bandidos e Corruptos, tudo com arrimo nas Liberdades Democráticas, que somente Ele, Gilmar Mendes, e alguns dos seus mais nefastos Pares, observam, diante de uma Nação Falida moralmente e Quebrada financeiramente pela Corrupção Institucional, Rodrigo Janot, teria afirmado ainda que: “Daria um tiro na Cara do Ministro, e depois se Suicidaria...”.

 

Procurador Geral da República, Cargo que exerceu por dois Mandatos consecutivos, com energia e determinação, levando o Sultanato de Lula, e do PT – Partidos dos Trabalhadores, à Cadeia, juntamente com seus Asseclas, de diversas agremiações partidárias, no Período mas nebuloso de toda a História Republicana brasileira, desde o Mensalão e a Petrobrás, revelados pela Operação Lava Jato, e o Juiz Moro, provavelmente próximas Vitimas do Arranjo que se faz notar, entre o Congresso brasileiro e a mais alta Corte da República, com fito único de Soltar Lula, almejando possíveis ilegalidades no Processamento, seria, até outro dia, completamente impensável que surtasse o Procurador Janot, a não ser que tal “Asneira”, ora proferida por ele, fosse um estratagema maior, impensável, apoiado por “Não sei Quem ?”, para jogar os holofotes da Opinião Pública, contra a Corte.

Tiro, ou “Vontade” incontida, nesse caso, contida, que saiu pela Culatra, Operação da Polícia Federal, à Pedido do Ministro Gilmar, Determinada pelo Ministro Alexandre Morais, em Inquérito “Apócrifo”, ou pelo Menos Anusual, posto que segundo a Constituição da República, artigo 127, cabe somente ao Ministério Público, portanto, ao Procurador Geral, a Abertura de qualquer Ação perante o Poder Judiciário, mas não essa, Aberta pelo próprio Ministro, sem o MP, levou a Busca e Apreensão da Arma de Janot, em sua residência, bem como instalou Medida Protetiva, para que Janot não se aproxime mais, ou adentre, no STF.

Pelo visto, Janot, ao invés de Assassinar, primeiro, Gilmar Mendes, e Suicidar-se, depois, aparentemente, atirou primeiro na própria Cabeça, para somente depois então, Mirar no Ministro...

Vai atirar mal assim lá longe !

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.