LIBERALISMO OU IMPERIALISMO ?

Por : Adriano Benayon

Ao nos ocuparmos das questões nacionais, não devemos nos precipitar, pois há pressa, e não se deve desperdiçar tempo em assuntos e discussões de importância secundária.  A situação é grave demais para que se tire o foco do que interessa. Um tema que não deveria merecer gasto de nossa energia são as eleições presidenciais.   Em artigo recente, “Eleições e Modelo Dependente”, escrevi: “O real sistema de poder manobra sempre para que todos os candidatos com chance de chegar ao 2º turno estejam comprometidos com a realização destes objetivos: ampliar e aprofundar a desnacionalização da economia, desindustrializá-la, servir a dívida -  inflada pela composição de juros absurdos – e  propiciar ganhos desmedidos às grandes empresas transnacionais.”

 

 

Portanto, com  qualquer “eleito”, a vitória será do    sistema imperial e de saqueio, comandado pela oligarquia financeira angloamericana, através de carteis transnacionais e coadjuvada por concentradores locais.

 

Sessenta anos de atraso tecnológico aumentando e crescente perda de autodeterminação política e econômica geraram condições deterioradas de vida no País. 

 

Essa deterioração tem sido acompanhada por doses maciças de desinformação, sendo a natural revolta popular manipulada por opositores diretamente vinculados àquela oligarquia financeira e principalmente por entidades controladas por esta, que agem para desestabilizar a presente gerência petista.

 

Esta, na verdade, atende ao sistema de poder da oligarquia, contra o qual a revolta deveria se dirigir.  É como culpar só o gerente do restaurante que manda servir alimentos estragados e que, se não o fizer, será sumariamente demitido. 

 

De qualquer forma, não é tolerável  a lesividade das  políticas do atual governo, como:

1) os leilões do petróleo;

2) o agravamento da situação do setor de energia elétrica no quadro de um sistema predador, que se diz “de mercado”;

3) as parcerias público-privadas;

4)  novas elevações das absurdas taxas de juros dos títulos públicos, que sangram o Tesouro, em favor dos concentradores financeiros.

 

 Há que denunciar também a continuidade:

 

1) das alienações de terras usadas predatoriamente, em grandes plantations,  para exportação;

2) da extrema desnacionalização da economia;

3) do favorecimento aos carteis transnacionais, praticantes de preços extorsivos e de transferência;

4) da liberdade de exportação, com baixa ou nula tributação, de inestimáveis recursos minerais, preciosos  e estratégicos, inclusive o nióbio, em que o pouco caso com os interesses nacionais recebe o  aval da CODEMIG,  estadual de Minas Gerais.

 

Entre os crimes mais graves das gerências petistas estão como os decretos e medidas para  liberar as sementes transgênicas e os agrotóxicos a elas associados.  A urgente proibição dessas sementes tem de ser exigida nas mobilizações populares sem as quais o processo de desintegração do País não terá solução de continuidade.

 

Mais de 800 cientistas de 82 países assinaram carta aberta, na qual pedem a suspensão imediata das licenças ambientais para cultivos transgênicos e produtos derivados, tanto comercialmente como em testes em campo aberto, durante ao menos cinco anos.

 

 

Eles proclamam: “as patentes dos organismos vivos, dos processos, das sementes, das linhas de células e genes devem ser revogadas e proibidas.

 

Apontam agrônomos e biólogos: "Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas não há polinização, nem reprodução da flora; sem flora não há animais, sem animais, não haverá raça humana."

 

Isso não é  pouco, e  há mais que isso. Os cientistas confirmam que os cultivos transgênicos prejudicam os agricultores, inclusive por envolver o  aumento do uso de herbicidas e o empobrecimento do solo. Ademais, intensificam o monopólio das grandes empresas sobre os alimentos, o que está levando os agricultores familiares à miséria e impedindo a  segurança alimentar e a saúde no mundo.

 

Até mesmo nos EUA e no Reino Unido, fontes do próprio Estado  reconhecem o perigo dos transgênicos para a biodiversidade e a saúde humana e animal. A transferência horizontal de genes acarreta a difusão de genes que tornam incuráveis as doenças infecciosas e  criam vírus e bactérias causadores de doenças e mutações capazes de provocar o câncer.

Liberalismo ou imperialismo?

 

A oligarquia financeira mundial tem investido no Brasil – durante mais de um século, de forma crescente -  na (de)formação de opiniões e na deseducação, gerando confusão mental e animosidade entre grupos sociais e indivíduos, associadas a doutrinas e ideologias.

 

Os saqueadores e seus adeptos -  remunerados ou não -  encobrem a verdadeira natureza das  políticas que realizam o saqueio imperial, fazendo que até mesmo os críticos delas as qualifiquem de liberais e neoliberais.

 

Esses nomes não costumam causar repulsa geral e até  exercem atração sobre as pessoas que os associam a termos da mesma raiz, como “livre” , libertário”, “liberdade”.  Palavras  bonitas e antigos ideários das revoluções francesa e norte-americana, que  passaram a ser evocados por mentores das políticas de escravização através da economia.

 

Do mesmo modo que as oligarquias nos países centrais, os defensores, no Brasil,  dos privilégios aos carteis transnacionais e de seus contatos coloniais ou semicoloniais também se dizem e são chamados de (neo)liberais. 

 

Então, o que, na realidade, não passa de mera apropriação dos recursos naturais e dos frutos do trabalho de um país, fica sendo discutido como se fosse questão doutrinária.

 

O engodo é ainda maior, porque se atribui aos liberais ser contrários à intervenção do Estado, e porque a grande maioria das pessoas ignora que atualmente, na maioria dos países, o Estado é controlado pela oligarquia e que ele intervém, em favor desta, nas finanças e na economia.

 

Por causa disso - mas sem que o público perceba que é por isso -  o  Estado comporta-se como insaciável coletor de impostos e taxas, sem prestar serviços, nem investir bem, nem assegurar direitos sociais básicos.

 

A própria incompetência adrede instalada no Estado, serviu para fazer aumentar ainda mais a concentração predadora, através das privatizações.

 

 Essas estão sendo desfeitas em alguns países como Rússia e França, enquanto no  Brasil o Estado só aumenta de tamanho como repassador de recursos a concentradores estrangeiros e locais.

 

Antes, tivemos excelentes avanços tecnológicos em estatais, mas elas foram sendo minadas para “justificar” as privatizações. Tudo em nome da “livre” iniciativa, na qual  carteis e monopólios sufocam a iniciativa, impedem a concorrência e apropriam-se das poucas tecnologias não impedidas de surgir.

 

Entretanto, nenhum país se desenvolveu sem a liderança do Estado, o único instrumento de a sociedade organizar-se para evoluir e defender-se, papel que ainda desempenha em alguns países, ainda que nem sempre a contento geral. 

 

Sem o Estado a seu serviço, a sociedade  transforma-se em massa amorfa, composta por indivíduos sem personalidade e sem liberdade alguma, como ocorre no grande número de países dominados pela oligarquia financeira mundial, inclusive em suas sedes -   EUA, Reino Unido.

 

Assim, as instituições formalmente democráticas, mesmo quando não violadas por desestabilizações e golpes de Estado, ficam sob controle daquela oligarquia. Os “governantes” são prepostos ou acuados.

 

De fato, não existe democracia sob regimes que não estabelecem limite à concentração econômico-financeira.  A falsa que temos aqui leva à convulsão, com chance de o que vier depois, levar à guerra civil, à desintegração e a ainda maior submissão ao império mundial.

 

Portanto, nossa sobrevivência depende de os brasileiros não mais se deixarem pautar pela  agenda e pelos conceitos do império. Só começará a ser viabilizada, quando a consciência dos fatos deixar de ser obscurecida por ideologias,  e quando os brasileiros deixarem de repelir-se entre si por divergências de opinião, inclusive esquerda ou direita. 

 

 

 

Adriano Benayon 

* - Adriano Benayon é doutor em economia e autor do livro Globalização versus Desenvolvimento