WORLD`S FIFA CUP IN BRAZIL : “UMA COPA SOB ESTADO DE SÍTIO...”

  • Imprimir

Por : Pettersen Filho

Nem bem se acomodou a fumaça embranquecida que subiu ao ar, no desabamento de um dos principais viadutos, anteontem, incluídos nas obras de Mobilidade Urbana do “Projeto FIFA 2014”, no Brasil, sintoma claro de Obras mal planejadas, ou executadas, feitas a toque de caixa, no mais das vezes, superfaturadas e sem concorrência pública, no ultimo momento dos preparativos, quando o evento já se avizinhava, e, muito embora, ainda ecoem no ar, na Capital Mineira, Belo Horizonte, o som dos últimos foguetes acionados, diante da vitória da Seleção Brasileira, Sexta Feira, contra a Colômbia, conduzindo o time para uma próxima etapa, as Quartas de Final, contra a Alemanha, na chamada  “Arena Mineirão”, nome com que se batizou o Velho “Estádio do Mineirão”, após um singelo “Banho de Loja”.

 

À exemplo de outros Estádios no Brasil (O “Novo Maracanã” custou cerca de Bilhão, e foi entregue à Administração do Multifalido Milionário Eike Batista por um ínfimo dessa quantia, por 35 anos), a preços altíssimos, e injustificáveis, Belo Horizonte, contudo, respira ares anusuais.

 

Sem que se reporte aqui, a antiga Capital Mineira, época em que a Cidade era chamada de Cidade Jardim, dos Bondes e Praças Públicas, Belo Horizonte, da Lagoa da Pampulha, fundada em 1943, e da Igrejinha de São Francisco, de Oscar Niemayer e Jucelino Kubschek, sempre respirou “Ares de Liberdade”, chegue onde quer por que se chegue, do Aeroporto da Pampulha ou da Rodoviária Central, seguindo pela Avenida Presidente Antônio Carlos,  das Palmeiras Imperiais e Quatro Pistas, ora transformada em “Praça de Guerra”, por onde quer que se passe, ausente a População das Ruas, presentes intensiva Tropa da Polícia Militar, fechada a Universidade Federal de Minas Gerais, palco natural de Protestos, e de onde saem a maioria das demandas Juvenis, lacradas, loja-a-loja, revendedoras de carro, agências de Banco(do próprio Banco do Brasil, todas protegidas por tapumes metálicos, em referência a ultima Copa das Confederações, em que foram apedrejadas), num cotidiano não comum à Cidade.

Em dias de Jogo, pegar o Metrô na Estação da Lagoinha, ou aproximar-se do Mineirão, para o qual se criou uma espécie anômala de “Área Verde de Bagdá”, Zona de Exclusão, da qual não se pode aproximar, sem ser Morador, ou Torcedor Oficial, num Perímetro de dois quilômetros, muito mais se assemelha a uma Zona de Guerra, e, as praticas das Autoridades envolvidas, muito mais se assemelham a um tipico Estado de Sítio.

Evento, e Segurança, planejadíssimos, onde o Povo é atraído por uma tal de Fan Fest, com grandes espetáculos públicos gratuitos, nos dias de jogo, para longe do Centro, Palco tradicional, da Praça Sete e da Estação, dos principais acontecimentos, na velha clássica do “Pão e Circo”, enquanto os defensores do Movimento “Não vais ter Copa” foram amordaçados, e. porquanto os Internautas “Chapa Branca”, que sempre se assanham na Rede, à serviço do Governo, tentam convencer-nos do tal Legado deixado pela Copa, e, silenciando-se quanto ao sonoro xingamento da Presidenta Dilma, na Abertura, não é exatamente isso o que vejo...

Já imaginaram, ainda que trágico, se por debaixo do Viaduto caído, que vitimou apenas duas pessoas, por sorte e conta do destino, fosse um dos tais BRT`s (Nome pomposo com que se batizou, tal qual os Esádios/Arenas, o sistema de transporte criado por Jaime Lerner, no Paraná, há cerca de duas décadas, onde se utilizou Pontos/Cabines, e ônibus articulados feitos pela Nacional Mafersa, Ex-estatal do Setor Ferroviário, modelo incorporado no exterior, que agora volta, talvez com Royaties  com novo nome “BRT”, cujos Coletivos possuem  capacidade para quase duzentos passageiros), a tragédia teria sido muito maior, não acham ?

Por isso mesmo, aqui vai uma profunda vaia para o Senhor Joseff Blatter, a FIFA, e a Senhora Roussef:  “UUUUuuuuú

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, ALÉM DE SÓCIO CORRESPONDENTE DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLOGIAS, POLÍTICAS E SOCIAIS DOM VASCO FERNANDES COUTINHO, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO