SEM CIRCO E COM UM NACO DE PÃO...

  • Imprimir

Por : Fernando de Almeida

Estou trepado na "ferradura", monstrengo que liga um lado a outro de uma das principais avenidas de Cuiabá, construído bem na entrada do Centro Administrativo. Bem em frente à SEFAZ, órgão por onde deve ter passado muito dinheiro para construir obras superfaturadas da Copa, aqui na capital de MT. Dizem que por debaixo do tal "viaduto" passará, quem sabe, o VLT. Na verdade, aqui debaixo desse "monstrengo" deveria está à pata do jumento que a idealizou.

 

Trepado na "ferradura" choro dos sete que os alemães meteram na seleção amarelona do Felipão, que deveria fazer a alegria do povo, mas que caiu de quatro diante dos gelados alemães. Os gringos administraram o jogo, digo "rachão", e "cirurgicamente" encontraram o caminho do gol quantas vezes quiseram. Fizeram cinco e o juiz mandou virar, acreditando que o "parada" era de dez e aos cinco virava. E só não foi assim porque os alemães tiveram "pena" e, "tiraram o pé do acelerador". Ouvir isso tem sido doído e, só serve para aumentar ainda mais a nossa humilhação.

Eu torci muito pelo Brasil, mas Dona Dilma, a "gerentona" dos dois neurônios solitários, torceu mais do que qualquer outro brasileiro para os amarelões ganharem. Afinal ela desejava fazer da "Copa das Copas" instrumento para alavancar a sua candidatura. A "gerentona" chegou até a levantar a taça, lá no palácio, quando foi visitada pelos organizadores. Não devia ter feito isso. Devia ter ficado longe da taça, afinal "urucubaca" pega e pegou. Ao erguê-la ela bradou: "è thois", numa alusão a turma liderada pelo Neymar.

Os amarelões caíram na conversa da mídia financiada pela propaganda oficial e disseram que jogariam por Neymar que foi atropelado por um colombiano e, teve que ficar de fora.  Eles não jogaram por Neymar "nadica de nada" e, ainda esqueceram de jogar pelos brasileiros, pelos quais eles só deveriam jogar. O bom atleta, cujo futebol admiro muito, deve está envergonhado. O futebol dele é bem maior do que a "bola murcha" que os seus amigos jogaram.

Mas continuo em cima da ferradura. Imagino as inúmeras obras que estão paralisadas, em nome da copa pelo Brasil afora. Aqui em Mato Grosso são muitas e, as que foram concluídas estão sobre suspeitas em relação à qualidade e ao preço. Mas isso não é um mal que só  os mato-grossenses estão vivendo. É um mal que atormenta todos os brasileiros. Lá em Belo Horizonte, por exemplo, um viaduto, antes mesmo de ser inaugurado, ruiu. Matou indefesos trabalhadores e deixou outros tantos feridos. As obras superfaturadas, de baixa qualidade e algumas inacabadas compõem o legado da "Copa das Copas", que poderia está acrescido do Hexa, mas não. A copa deixou para trás menos recursos para a saúde, educação,segurança e mobilidade urbana. A copa só serviu para aumentar o caos nesses setores.

No início diziam que o Brasil seria campeão, porque a copa estava comprada. Se compraram "a Copa das Copas" não pagaram. O dinheiro do pagamento parece que virou propinas para políticos e empreiteiros corruptos. De cima da ferradura, símbolo da esperteza e da vigarice de alguns, enxergo os brasileiros, depois da copa padrão FIFA, mais pobres. Vejo os vigaristas da FIFA sumindo com o dinheiro suado dos brasileiros, deixando para trás um povo sem circo e com um "naco" de pão dormido. Esse é o verdadeiro legado da "Copa das Copas"

*Engenheiro, professor e jornalista.. 

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.